18 dezembro 2006

O CREPÚSCULO DOS DEUSES

Um dos maiores clássicos de sempre, uma visão terrível da própria industria cinematográfica que cria e mata estrelas enquanto o diabo esfrega um olho.
Gloria Swanson é arrebatadora neste filme, que até podia ser o papel sobre a sua vida. Tal como Norma Desmond, Glória foi uma estrela do cinema mudo e que tal como as suas colegas passou as mesmas dificuldades na transição para o sonoro e à semelhança da sua personagem também ela tinha caído no esquecimento. Há uma magnífica cena em que Norma faz uma partida de bridge com alguns avtores veteranos(Buster Keaton, Anna Q. Nilsson ou H.B. Warner) também já arrumados na prateleira de Hollywood
Norma Desmond, antiga glória do cinema mudo, vive na amargura do esquecimento a que foi votada numa velha mansão obcecada com o regresso às luzes da ribalta. Joe Gillis(William Holden) é um argumentista fracassado que perseguido por credores se refugia em casa da actriz e vai alimentar os sonhos dela. Com Gillis vai sonhando com a perspectiva de um grande filme sob a direcção de Cecil B. DeMille e acaba por se apaixonar pelo argumentista...
Vi este filme pela primeira vez na televisão, ainda era menino. Nunca esqueci a cena de abertura, que na altura me impressionou muito; A história é narrada em flashback por Gillis que descreve o momento em que polícia e jornalistas irrompem pela mansão e descobrem o seu próprio cadáver a boiar na piscina. Ver Trailer

O cast é um pouco curioso pois há muitos actores a fazer o seu próprio papel, incluindo o realizador Cecil B. DeMille que viu o seu estúdio ser "invadido" enquanto rodava SANSÃO E DALILA.
Billy Wilder dirige Swanson e Holden com grande mestria, o ambiente é escuro e muito tenso como um bom film noir. Para este ambiente, muito contribui o aspecto da velha mansão de Norma. Produtor, realizador e co-argumentista de SUNSET BOULEVARD, Wilder contrlou toda a fase de produção do filme, incluindo a escolha dos actores. Holden foi uma terceira escolha, embora relutante, Wilder, aceitou o actor e Holden foi contemplado com a sua primeira nomeação para um oscar, ambos se tornaram grandes amigos e rodaram mais alguns grandes filmes juntos.

Realização: Billy Wilder
Intérpretes: Gloria swanson, William Holden, Erich Von Stroheim, Nancy Olson e Fred Clark.
Fotografia: Preto e Branco
EUA, 1950

1 comentário:

Roberto Queiroz disse...

Esse é o filme que eu pretendo ver no dia 25 de Dezembro. Estou querendo assisti-lo hpa muito tempo (mas nunca consigo vê-lo da maneira que ele merece ser visto, sem pressa, sem corre-corre). Está na minha lista de filmes a serem vistos a muito tempo. Não passa desse ano, eu garanto.

P.S: Como não gosto de receber boas dicas e não dar nenhuma em troca, aqui vai uma sugestão para você: Viver e Morrer em Los Angeles, de William Friedkin (com Willem Dafoe e Timothy Hutton). Filmaço! Abraços do crítico da caverna.